Notícias, Sustentabilidade

Acesso à tecnologia: o novo indicador de desigualdade

Relatório da Unicef sobre infância

< Relatório da Unicef mostra como as enormes lacunas no acesso à internet na infância afetam a educação e entrada no mercado de trabalho >

Notícias, Turismo

Moçambique é nossa praia

As novelas são da Globo, a língua é portuguesa, e a comida tem mandioca e pimenta. Moçambique tem uma parte de Brasil e outras tantas de África

O Índico-piscina de Quirimbas, em Pemba, no norte do país
O Índico-piscina de Quirimbas, em Pemba, no norte do país (Franck Guiziou/Corbis)

“Gente, ela mora na África!” Perdi as contas de quantas vezes ouvi a frase cada vez que retornava ao Brasil para ver a família. Sim, eu vivi em Moçambique, o país africano banhado pelo Índico que fala português como o Brasil e, também como o Brasil, tem muitas praias e florestas – além de savanas, safáris e uma riqueza cultural notável. Moçambique se estende por uma área do tamanho dos estados de Minas Gerais e Paraná juntos e é habitado por 23 milhões de pessoas. O afeto pelo Brasil é grande: lá são exibidas novelas da Globo, o futebol (ainda) é apreciado, e Roberto Carlos, Daniel, Roberta Miranda e Zeca Pagodinho são populares. Mas agora o nosso país marca presença também nos negócios, especialmente em setores como extração mineral e construção civil. Como em Angola, a descolonização nos anos 1970 foi sangrenta, seguida de uma guerra civil que matou 1 milhão de pessoas. A paz só foi assinada em 1992, inaugurando uma era de democracia e busca pelo desenvolvimento.

Continue lendo “Moçambique é nossa praia”

África, Fez

Gatíneo marroquino!

África, Fez, Marrocos

Jardin Jnan Sbil | Fez, Marrocos

Fundado no século XVIII, o Jardin Jnan Sbil, em Fez, proporciona momentos bucólicos em meio à agitação do trânsito e dos mercados populares.

Fez-34

Locais e turistas em um passeio despreocupado pelo jardim.
Fez, sexta-feira, 4 de novembro de 2016 (8° dia de viagem).

 


JARDIN JNAN SBIL


Depois de alguns registros da praça e da muralha (se você perdeu essa parte, é só clicar AQUI!), a gente seguiu para o Jardin Jnan Sbil, um parque próximo. Jnan Sbil foi fundado no século XVIII pelo Sultão Moulay Abdellah, que o construiu com uma flora única, tornando-o uma joia da tradição andaluz e seus típicos jardins.

Fez-42
O parque fica nas proximidades da Place Boujloud

Com oito hectares e cerca de mil espécies de plantas, dizem que é o parque público mais antigo da Capital Espiritual do Reino de Marrocos. Jnan Sbil é uma espécie de Jardim Botânico e é normal encontrarmos várias pessoas passeando por seus corredores bucólicos e silenciosos, longe da agitação do trânsito nos arredores.

DSCF5530

DSCF5502

DSCF5503

DSCF5510

DSCF5511

DSCF5512

DSCF5513

DSCF5516

DSCF5525

DSCF5529

 


TALAA SGHIRA


Seguimos pela rua do mercado popular que circunda a maior área da antiga cidade até chegar a uma das principais ruas da Medina, a Talaa Sghira. Animados com a possibilidade de encontrarmos a praça principal de Fez seguindo o fluxo da rua, nos perdemos novamente e desistimos mais uma vez. A Medina não seria conquistada tão facilmente.

DSCF5554
Pequenas lojas formam um longo souk (mercado popular) por toda a rua Talaa Sghira.

DSCF5558

DSCF5560

DSCF5561

DSCF5564

DSCF5565

DSCF5567

DSCF5569

 


RESTAURANTE BAB BOUJLOUD


Depois de conhecermos e nos perderemos na Talaa Sghira, nós paramos no restaurante Bab Boujloud e bebemos outro chá de hortelã. Depois de uma breve passada no hotel para pegar mais dinheiro, jantamos a versão servida no prato de um kebab (que mais parecia um churrasquinho) e comemos alguns doces típicos dos comerciantes próximos. Os doces no Marrocos basicamente são feitos de amêndoas, tâmaras e coisas do gênero.

IMG_20161104_194019671.jpg
Kebab no prato

 


“FESTA” NO TERRAÇO DO NATIONAL


Resolvemos tirar algumas fotos noturnas da Medina e subimos até o terraço do hotel munido de nossas máquinas fotográficas e da champanhe que compramos em um mercado em Málaga (e levamos contrabandeada na mochila do Fabrício).

DSCF5576
Mesquita mais próxima do hotel

DSCF5577

DSCF5579

DSCF5584
Iluminação noturna de parte das muralhas da cidade

A visão noturna da velha cidade conseguia ser ainda mais impactante do que a visão diurna. Carregada de história, religiosidade e mistérios, Fez é um dos lugares mais antigos e incríveis em que eu já estive.

 

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar a sua curtida e recomendar para os amigos através do compartilhamento!

 

Em breve, mais relatos e dicas sobre Fez e Marrakech!

 

Obrigado pela leitura e boas viagens!

 

Rodrigo Siqueira

Contato: superandarilho@outlook.com

 

    • A seguir: Tour pela Medina | Fez, Marrocos
    • Procurando mais posts sobre o Marrocos? > Clique AQUI

 

 

África, Fez, Marrocos

Kasbah Nouar e Bab Chorfa | Fez, Marrocos

Procurada por estudiosos do mundo inteiro, Fez chegou a ser considerada no passado a “Atenas da África”.

Fez-23
Muralhas de Kasbah Nouar
Fez, sexta-feira, 4 de novembro de 2016 (8° dia de viagem).

 


PLACE BOUJLOUD E BAB CHORFA


Fomos até o terraço verificar a vista do hostel e realmente era magnífica. Dava para se observar minaretes de mesquitas e as muralhas que circundavam a cidade. Resolvemos sair para tirar fotos e a primeira parada foi na praça Boujloud, cercada pelas muralhas de Kasbah Nouar (“a fortaleza das flores”), onde fica a imponente Bab Chorfa (“o portão dos nobres”), a porta que conduz à outra parte da cidade.

DSCF5491.JPG
Muralhas de Kasbah Nouar

Assim como Rabat, Meknès e Marrakech, Fez é uma das chamadas Cidades Imperiais do Marrocos. A cidade tem três partes distintas: a primeira delas é Fez, a Velha, a Medina propriamente dita, classificada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1981. A segunda é conhecida como Fez, a Nova ou Ville Nouvelle (cidade nova) e foi projetada e construída pelos franceses durante o período colonial. Já a terceira parte é o Méchouar e é constituída pelo complexo do Palácio Real.

DSCF5485.JPG
Atravessando as muralhas, acessamos uma parte mais movimentada da cidade
DSCF5487.JPG
Place Boujloud
DSCF5488.JPG
Place Boujloud e seu imenso mercado informal com Bab Chorfa ao fundo
DSCF5490.JPG
Muralhas de Kasbah Nouar
DSCF5492.JPG
College Moulay Idriss
DSCF5493.JPG
College Moulay Idriss

DSCF5498.JPG

DSCF5501.JPG

 

Dentre as muitas coisas que não tivemos tempo de conhecer em Fez, está a Universidade Al Quaraouiyine, conhecida por ser a universidade mais antiga do mundo, construída em 859.

 

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar a sua curtida e recomendar para os amigos através do compartilhamento!

 

Se tiver alguma dúvida sobre Fez, pode me mandar um e-mail: superandarilho@outlook.com

 

Em breve, mais relatos sobre Fez e Marrakech!

 

Obrigado pela leitura e boas viagens!

 

A seguir: Jardin Jnan Sbil | Fez, Marrocos

 


LOJA VIRTUAL


 

Camiseta-African-Heart-Preta
CAMISETA AFRICAN HEART | MARROCOS (Preta Masculina)

 

Camiseta-African-Heart-Preta-(F)
CAMISETA AFRICAN HEART | MARROCOS (Preta Feminina)
Camiseta-African-Heart-Branca-Wood
CAMISETA AFRICAN HEART | MARROCOS (Branca Masculina)
Camiseta-African-Heart-Branca-Wood-(F)
CAMISETA AFRICAN HEART | MARROCOS (Branca Feminina)
África, Fez, Marrocos

A Porta Azul | Fez, Marrocos

Da Porta Azul também conseguimos enxergar os minaretes de uma mesquita e o da madraça Bou Inana, uma famosa escola corânica.

DSCF5450.JPG
Bab Boujloud, a Porta Azul

 

Fez, sexta-feira, 4 de novembro de 2016 (8° dia de viagem).

 


O HOSTEL FALIDO


Nosso segundo dia no Marrocos começou cedo, mais precisamente por volta das cinco, cinco e meia da manhã, quando teve início a primeira oração islâmica. Na verdade, a gente tomou um baita susto quando começou a tocar o aviso na Mesquita ao lado. Mais do que depressa a gente foi para a janela ver o que estava acontecendo e presenciou uma multidão de muçulmanos se dirigindo para lateral da Mesquita e se ajoelhando em seus tapetes.

DSCF5451.JPG
Orações matinais

 

Mais tarde, em um horário mais razoável, vimos que começaram a chegar os primeiros turistas e constatamos que, a despeito do trauma da noite anterior, realmente estávamos em um dos melhores pontos da cidade: a famosa Porta Azul. Descemos para comer alguma coisa  enquanto táxis vermelhos e ônibus carregados de turistas chegavam e os guias abordavam o que seriam os seus prováveis clientes.

IMG_20161104_115927162.jpg
Desjejum

DSCF5457.JPG

Com toda aquela agitação a gente constatou que não tinha perigo transitar pela área e finalmente entramos na Medina. E a Velha Medina de Fez é praticamente um grande mercado a céu aberto. Encontramos de tudo, desde barracas com doces, até restaurantes completos, lanchonetes, lojas de artesanato e muita gente na rua abordando os turistas.

DSCF5458
Medina de Fez

 

Tentamos nos orientar pelo mapa recém-comprado pelo Fabrício mas verificamos que de nada servia no labirinto que é Fes el-Bali (Fez, a Velha). Tentando nos comunicar basicamente em inglês ou espanhol, conseguimos finalmente achar o endereço do hostel que havíamos reservado pelo Booking e tivemos a grata surpresa de que ele havia falido e estava permanentemente fechado! Aparentemente o segundo dia seria tão intenso quanto o primeiro…

 


O HOTEL NATIONAL


Hotel National foi a primeira estadia que eu lembrei de tirar fotos pelo simples fato de que era um ambiente tão exótico que eu precisava registrar aquelas coisas. Nosso quarto tinha um tamanho razoável com duas camas de solteiro bem duras porém confortáveis e, aparentemente, estava mais limpo do que esperávamos. O que mais me traumatizou no Hotel National foi o banheiro que sempre tinha um aspecto horroroso a despeito de estar limpo. Como eu já tinha mencionado anteriormente os banheiros marroquinos são diferentes dos banheiros ocidentais. Em vez de uma latrina, existe uma espécie de louça no formato de dois pés com um buraco no meio. Mas para nossa sorte em um dos banheiros havia uma latrina tradicional. Eu simplesmente não conseguia me visualizar fazendo as necessidades fisiológicas do jeito que eles fazem, por mais que alguns especialistas digam que é a maneira correta de se fazer isso.

ae9719f4-dd17-41af-adc0-7e7118081eb2.jpg
Hotel National
e1b84d3e-16e5-4e88-9ccb-d12d5378c5ed.jpg
Entrada e recepção do hotel

 

PONTOS POSITIVOS: a equipe era extremamente receptiva; o Wi-fi foi simplesmente o melhor o Wi-fi que encontramos em toda a viagem (sim, melhor do que os europeus!); eles tinham acesso a um terraço maravilhoso com vista para toda a Medina; o custo-benefício: pagamos por uma diária apenas 75 dirhans, o equivalente a 7,5 euros.

PONTOS NEGATIVOS: o banheiro, que não era um bom exemplo de limpeza; as instalações, que poderiam ser mais confortáveis.

 


LABIRINTO


Tentamos em vão achar sozinhos a praça principal da Medina. O lugar era um labirinto cheio de gente oferecendo um monte de serviços e produtos, hora em árabe, hora em francês, hora em inglês e às vezes em espanhol e português. Depois de rodar em círculos durante alguns bons minutos nós simplesmente desistimos. Tivemos que dar o braço a torcer e assumir que precisávamos de um guia…

 


ALMOÇO


Em um dos muitos restaurantes próximos à Porta Azul, escolhemos um que tinha um terraço que proporcionava uma boa visão para Medina. Almoçamos Tagine de carne com ovos, com direito uma entrada de sopa marroquina e um café preto depois. O Tagine é uma comida típica do Marrocos, que pode ser tanto de carne, quanto de frango, quanto vegetariano.

DSCF5465.JPG
Tagine
DSCF5466.JPG
Hot Tea!

 


BAB BOUJLOUD / LA PORTE BLEUE (A PORTA AZUL)


Aproveitamos a proximidade para tirar algumas fotos da Porta Azul, uma das três mais famosas entradas monumentais para a Medina. O entorno da porta (que na verdade são três, sendo uma com um arco maior e duas com arcos menores), é cercado por restaurantes e pequenos mercados de artesanato. Quem precisa sacar dinheiro pode utilizar um caixa eletrônico próximo, assim como quem precisar da ajuda da polícia por algum motivo, pode procurar o escritório que fica bem ao lado da porta.

DSCF5455.JPG
A Porta Azul com o minarete da madraça Bou Inana ao fundo

 

Construída no início do século XX (1913), a porta é ornada com delicados arabescos e é de fato azul apenas na fachada exterior à Medina, sendo decorada em verde na parte interior. Nas proximidades da entrada, os visitantes podem observar a antiga rede de fornecimento de água da cidade, construída ente os séculos XIII e XIV. Da Porta Azul também conseguimos enxergar os minaretes de uma mesquita e o da madraça Bou Inana, uma famosa escola corânica.

DSCF5470.JPG
Restaurantes e mercados garantem o movimento na entrada da Medina
DSCF5471.JPG
Bab Boulojd e seu interior decorado em verde
DSCF5473.JPG
Minarete da madraça Bou Inana

 

A Porta Azul é bem movimentada, com circulação massiva de vendedores, turistas e aspirantes a guias de turismo. Digo aspirantes porque muitos deles não parecem ser guias oficiais, apesar de mostrarem uma carteirinha de alguma entidade municipal. Foi nos arredores da Porta Azul que um senhor de mais ou menos uns sessenta anos de idade – surpreendentemente falando em português e espanhol – nos abordou e tentou nos vender um passeio por 25 euros cada um! Logicamente, a gente não aceitou e voltamos para o hostel para descansar um pouco.

DSCF5454.JPG

DSCF5477.JPG

 

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar a sua curtida e recomendar para os amigos através do compartilhamento!

 

Se tiver alguma dúvida sobre a Fez, você pode deixar um comentário abaixo ou mandar um e-mail para: superandarilho@outlook.com

 

Em breve, mais relatos sobre Fez e Marrakech!

 

Obrigado pela leitura e boas viagens!

 

A seguir: Kasbah Nouar e Bab Chorfa | Fez, Marrocos

África, Fez, Marrocos

Marrocos: onde tudo pode acontecer (de verdade!)

No primeiro post sobre o Marrocos, um pouco dos perrengues e surpresas que encaramos desde a travessia do Estreito de Gibraltar até a cidade imperial de Fez.

51dff011-d227-4fb1-838c-22d5a91a3219.jpg
Entrada do porto de Algeciras, Espanha

Fez, quinta-feira, 3 de novembro de 2016 (7° dia).


Pegamos o ônibus em Málaga, na Espanha, pontualmente e dentro do período previsto desembarcamos na cidade portuária de Algeciras, de onde partiria o ferry boat que nos levaria até o Marrocos. A travessia feita com a empresa espanhola Baleària, além de ter sido a opção mais econômica (sem levar em conta o cardápio a bordo que é “uma facada”), foi bem tranquila e em menos de duas horas já atracávamos no porto de Tanger Med.

Continue lendo “Marrocos: onde tudo pode acontecer (de verdade!)”