Quintal de Casa

“HELL DE
JANEIRO”
“Minha alma canta / Vejo o Rio de Janeiro / Estou morrendo de saudades / Rio, seu mar / Praia sem fim / Rio, você foi feito prá mim / Cristo Redentor / Braços abertos sobre a Guanabara / Este samba é só porque / Rio, eu gosto de você / A morena vai sambar / Seu corpo todo balançar / Rio de sol, de céu, de mar / Dentro de mais um minuto estaremos no Galeão” — Antônio Carlos “Tom” Jobim

 

Tive o privilégio de nascer e crescer no subúrbio de uma das cidades mais espetaculares do mundo, São Sebastião do Rio de Janeiro, fundada em 1° de março de 1565, mais conhecida como “Cidade Maravilhosa”. E no Rio de Janeiro, assim como em praticamente toda a América Latina, viver no subúrbio é um pouco mais complicado do que viver nas zonas turísticas.

 

Mesmo que o adjtivo “Maravilhosa” pareça não valer em todos os momentos (às vezes eu prefiro chamá-la de “Hell de Janeiro”), devido a todos os problemas que muitas cidades grandes têm – e, sim, temos muitos! – essa seção trata, principalmente, da minha relação com a natureza e o lifestyle de uma boa parte dos cariocas: praias, cachoeiras, montanhas, trilhas e nossa incrível capacidade de festejar qualquer acontecimento, por mais cotidiano que pareça.