Europa, Faro, Portugal

Uma “Ilha Deserta” em pleno Algarve? | Faro, Portugal

Estávamos em Faro, Portugal, apenas de passagem. Mas como bons mochileiros, não resistimos à tentação de conhecer uma tal de Ilha Deserta a 15 minutos (e 12 euros) de distância. Seria propaganda enganosa? Ao chegarmos lá encontraríamos 15.000 turistas poluindo as areias? Confira!

DSCF6359

Faro, quinta-feira, 10 de novembro de 2016 (15° dia de viagem).

 


CRUZANDO SUAVEMENTE A FRONTEIRA


Pegamos o autocarro da Alsa na Estação Plaza de Armas em Sevilha por volta das 9h da manhã (Já é bom eu começar a me acostumar com algumas palavras essencialmente portuguesas: autocarro = ônibus, comboio = trem, e por aí vai). Algumas horas depois, escutando a única estação portuguesa que o rádio do meu celular conseguia conectar, e levemente adormecido, abri os olhos no susto enquanto passávamos por uma ponte.

Eu não tinha certeza naquele momento, mas desconfiei que atravessávamos o Rio Guadiana na fronteira entre Espanha e Portugal. A confirmação veio logo em seguida ao avistarmos uma placa que nos dizia oficialmente que estávamos agora em território luso. Assim como na Espanha, as estradas portuguesas pareciam muito bem conservadas e foi fácil pegar no sono novamente.


DIMINUINDO O PESO


Ainda com o cheiro do Marrocos e da Andaluzia na alma, desembarcamos em um novo país. O dia ensolarado não fazia jus à temperatura, cuja brisa marinha matinal empurrava para baixo. E quais eram as informações que tínhamos sobre Faro ao descermos do autocarro? Que era a capital da região do Algarve e, supostamente, teria belas praias. Como ficaríamos apenas algumas horas antes de irmos para Lisboa, o roteiro poderia ser moldado conforme escolhêssemos.

Tomamos nosso pequeno almoço em uma cafeteria em frente à Estação de Comboios da cidade e deixamos as mochilas em um guarda volumes – que também aluga bikes – exatamente ao lado. Pela bagatela de € 7,5 poderíamos andar despreocupadamente pela cidade sem o peso das mochilas maiores (Eu achei caro, mas não haviam muitas opções).

DSCF6302.JPG
Centro e Marina de Faro
DSCF6303
Centro e Marina de Faro
DSCF6311
Marina de Faro
DSCF6305.JPG
Marina de Faro

EXPLORANDO A ILHA DESERTA


Como não tínhamos nada específico em mente com relação a conhecer o lugar, fomos passear perto da marina e logo fomos abordados pela Maria, da empresa Animaris, que tinha um passeio imperdível! (Eles sempre têm um passeio imperdível em lugares como este…). Não demorou muito e ela nos convenceu a fazer um tour com duração de quatro horas por uma tal de “Ilha Deserta” por € 12,5 (Seria propaganda enganosa? Ao chegarmos lá encontraríamos 15.000 turistas poluindo as areias?)

Depois de uns quinze minutos de barco, chegamos por volta das 12h30 à ilha, que aparentemente era habitada apenas por nós e um casal de velhinhos aventureiros. (É, estava realmente deserta, mas também era uma quinta-feira!). Fabricio, que se pudesse teria pego o próximo comboio direto para Lisboa, parecia um pouco mais animado!

DSCF6312

DSCF6314.JPG

A Ilha Deserta, também conhecida como Ilha da Barreta, pertence ao Parque Natural da Ria Formosa, possui apenas um restaurante, o Estaminé, 11km de praia (apesar de as águas estarem gélidas comparadas aos padrões sul-americanos) e a possibilidade de apreciação da fauna local (borrelhos, garajaus, andorinhas do mar, chiretas). A areia é cheia de vida, abrigando várias espécies de moluscos: amêijoas, búzios e muitas outras conchas.

IMG_20161110_122816552_HDR.jpg
O Estaminé é o único restaurante da ilha

DSCF6317

DSCF6323

DSCF6348.JPG

Tomamos um belo banho de mar gelado (demoramos uns dez minutos para conseguir entrar de fato) enquanto observávamos ao longe que não estávamos tão sozinhos quanto imaginávamos: um tubarão branco estava à espreita! (Ok, essa parte foi mera ficção, mas apesar do número de ataques ser praticamente nulo, sim, existem tubarões na costa portuguesa!). Mas o que observamos, na realidade foi um casal a uns 5 km de distância, decidindo se entravam ou não nas águas geladas do Atlântico Norte. 


O RETORNO DA DOENÇA DAS CONCHAS


Meu amigo Fabricio não é muito chegado a praias (a pessoa não faz jus à nacionalidade brasileira e é pobre em melanina). Tanto que a única praia em que nos aventuramos durante toda a viagem até o momento foi a Playa Malagueta, em Málaga. Nessa praia sofremos de uma patologia bizarra que consiste em não conseguir parar de catar pedras e conchas na beira do mar (!). Bem que tentamos nos conter, mas as conchas da Ilha Deserta eram tão imensas e variadas que passamos praticamente a tarde toda nessa colheita estranha… cuidado, isso pega! (Risos)

DSCF6324
Patologia das conchas

DSCF6326


CORRENDO PARA NÃO PERDER O BARCO


Havíamos combinado de voltar por volta das 16h. Como já passava das 14h, resolvemos parar de catar conchas e conhecer outras partes da ilha, o que deveria ser possível fazer em alguns minutos. Não se engane, o lugar é enorme!

Perdemos a entrada que leva até o caminho de pedestres que circula a ilha até a baía e, para encurtar caminho, tivemos que desbravar a região pelo lado mais selvagem e espinhoso (literalmente!). Mas a aventura valeu a pena (não sei se o Fabricio concorda) e no final acabamos por chegar faltando ainda quinze minutos para o barco sair. Foi o tempo de recuperarmos o fôlego e voltarmos a sentir um frio considerável.

DSCF6329.JPG

DSCF6360

DSCF6338.JPG

DSCF6365.JPG

DSCF6368.JPG

b5191166-2aa5-4096-9187-6a781adcfa1d.jpg
Extremo sul de Portugal

COMBOIOS DE PORTUGAL


De volta ao continente, almoçamos rapidamente no McDonald’s (nessa parte da viagem foi necessário começar a usar o cartão de crédito internacional, salve-se quem puder!) e compramos as passagens para o próximo comboio com destino à Lisboa. Portugal conta com uma rede ferroviária eficiente de norte a sul do país. Ainda que em alguns trajetos custe um pouco mais caro que os autocarros, o custo benefício costuma compensar. Eu, como não estava acostumado a tanta facilidade de locomoção, quase sempre optaria por viajar com os Comboios de Portugal se a diferença de preços fosse mínima. Em mais ou menos três horas, desembarcaríamos finalmente na capital.


O QUE NÃO CONHECEMOS, MAS PARECE VALER A PENA


Devidamente anotado para a próxima vez! 😉


CURIOSIDADES


  • A cidade, que já foi chamada de Ossónoba (Osson Êba) durante a colonização Fenícia em VIII a.C., após o governo de Said Ibn Harun na taifa de Santa Maria, no séc. XI, passa a designar-se Santa Maria Ibn Harun. Foi renomeada pelos portugueses, após a conquista de Dom Afonso III, por Santa Maria de Faaron ou Santa Maria de Faaram no século IX. Daí a origem do nome. Do séc. XVI a XVII o nome evoluiu para Farom , Faroo e Farão. O nome Faro surgiu no séc. XVIII e permaneceu até aos dias de hoje.
  • O Aeroporto de Faro, construído em 1965, é um dos mais movimentados de Portugal. A procura se justifica devido à proximidade de outras cidades costeiras do Algarve e da região da Andaluzia, na Espanha.

DICAS


  • Chegue cedo: o lugar é grande e pode-se levar o dia inteiro para conhecer todos os pontos de interesse.
  • Leve lanches rápidos: mesmo que resolva almoçar no único restaurante da ilha, é bom ter o que beliscar.
  • Leve água: sério que você não havia pensado nisso?!
  • Não esqueça o casaco no outono/inverno (talvez seja válido até em dias de calor): mesmo ao sol, os ventos marítimos são gélidos, principalmente ao entardecer.
  • E, claro, leve protetor solar, óculos escuros, uma canga/toalha, roupa de banho e jogue-se na água! Vale a pena.

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar a sua curtida e recomendar para os amigos através do compartilhamento!

Esse é o primeiro post sobre nossa passagem por Portugal. Em breve, mais relatos e dicas sobre Lisboa, Estoril, Cascais, Sintra, Coimbra e Porto!

Obrigado pela leitura e boas viagens!