África, Fez, Marrocos, Original Content

Tour pela Medina | Fez, Marrocos

Depois de algumas tentativas frustradas de desvendar o labirinto que é a Medina da cidade imperial de Fez, chegamos à conclusão que a ajuda de um guia seria essencial

DSCF5693
Um dos muitos curtumes de Fez

 

Fez, sábado, 5 de novembro de 2016 (9° dia de viagem).

TOUR COM SALIM


Conforme combinado no dia anterior, hoje fizemos um tour de mais ou menos 3h com Salim, um marroquino que conhecemos na porta do hotel. Depois de morar algum tempo na Espanha e em Portugal, ele falava suficientemente bem ambos os idiomas (a esposa portuguesa certamente ajudou!).

Como companhia, tivemos dois portugueses, Sandra e Filipe. Conhecemos os principais pontos turísticos de Fez, entre eles algumas mesquitas, vários mercados, mausoléus, madraças, e a famosa produção de artigos de couro.


MADRAÇA BOU INANIA


DSCF5602
Vista do pátio da madraça Bou Inania

Nossa primeira parada foi visitar uma madraça (escola corânica) construída entre 1351 e 1357, cujo minarete já havíamos fotografado inúmeras vezes do terraço do Hotel National, a madraça Bou Inania (al-Bu’inaniya em árabe), uma das escolas centenárias mais bem conservadas da medina de Fez.

Fez-18
Minarete da madraça visto do hotel
DSCF5591
Detalhe madraça Bou Inania
DSCF5595
Detalhe madraça Bou Inania
DSCF5598
Coluna. Detalhe madraça Bou Inania
DSCF5606
Carpintaria. Detalhe madraça Bou Inania
DSCF5607
Padrões geométricos dos azulejos. Detalhe madraça Bou Inania
DSCF5613
No dia em que visitamos, a entrada custava 20 dihans (uns 2 euros)

E QUASE COMPRAMOS UMA LÁPIDE!


Na saída da madraça nos deparamos novamente com bélíssimas pedras brancas sendo esculpidas por alguns artesãos, decoradas com a inconfundível escrita árabe. A lojinha simples já havia nos chamado a atenção no dia anterior, mas apenas o Salim poderia tirar a dúvida sobre do que tais pedras se tratatavam: “São lápides! Existe um cemitério nos arredores.” E nós jurávamos que era alguma espécie de souvenir!

DSCF5618
Artesão trabalhando em uma lápide
DSCF5617
Salim, o guia
DSCF5620

KASSR ANNOUJOUM (PALÁCIO DAS ESTRELAS)


Depois de caminharmos alguns minutos pelas ruas estreitas da medina, Salim nos levou ao Kassr Annoujoum (Palácio das Estrelas), um centro cultural instalado em um belíssimo riad que, aparentemente, além de receber hóspedes e promover eventos culturais, também funciona como restaurante.

DSCF5628
Kassr Annoujoum
DSCF5623
Entrada do Kassr Annoujoum
DSCF5625
Kassr Annoujoum
DSCF5624
Kassr Annoujoum
DSCF5636
Um dos muitos gatos que habita o lugar
DSCF5638
A programação

CARPINTEIROS


Seguindo pelas ruelas e desviando de algumas vigas de madeira pelo caminho (a cidade é tão velha que algumas paredes precisam ser escoradas), nosso guia nos levou a uma carpintaria tradicional da região.

DSCF5642
DSCF5645
DSCF5646
Quem observa a entrada humilde, não imagina o quão caros são os artigos produzidos

PANORÂMICA DA CIDADE


Paramos brevemente em um albergue – o qual o nome não me recordo – cujo terraço tinha uma vista privilegiada para toda a Velha Fez. A vista panorâmica é realmente espetacular e passamos ali algum tempo registrando as imagens abaixo.

DSCF5659
Fez, a Velha
DSCF5649
Fez, a Velha
DSCF5651
Fez, a Velha
DSCF5656
Fez, a Velha

UMA “OUTRA” PORTA


Tanto caminhamos que chegamos ao outro lado da cidade velha e nos deparamos com  uma outra entrada oficial: Bab Sid L’Aouad. Em um souk nesta região deparamo-nos com todo tipo de produtos imagináveis à venda. Entre elas uma singela cabeça de tubarão!

DSCF5671
Bab Sid L’Aouad: uma das muitas entradas para a medina
DSCF5670
Uma coisa que nunca havia visto até o momento: tubarão à venda

PRAÇA SEFFARINE


Em seguida Salim nos levou a uma praça lotada de turistas. E onde há turistas, sobram vendedores e artigos de toda a sorte. A praça em questão era a movimentada Praça Seffarine, onde fica uma madraça de mesmo nome e que é cercada por todo tipo de loja de produtos regionais.

DSCF5679
Madraça Seffarine
DSCF5681
Praça Seffarine
DSCF5676
Ruas movimentadas…
DSCF5677
… e um comércio abundante

CHOUARA TANNERY (CURTUME)


Eis que chegamos a um dos pontos altos da viagem, a visita a um curtume. Assim que chegamos ao Chouara Tannery fomos presenteados com um ramo de hortelã. Ainda que parecesse estranho, sabíamos que tratava-se de um bom truque para amenizar o fedor absurdo exalado pela produção de artigos em couro.

DSCF5693

Alguém lembra de “O Clone”?
DSCF5682
Peles de animais secando ao sol
DSCF5695
Daqui saem as cores vivas dos produtos
DSCF5702
Trabalhadores no curtume
DSCF5704
Secagem
DSCF5710
Peças disponíveis para compra
DSCF5712
A variedade de produtos é grande

ARTESANATO POR TODOS OS LADOS


Depois que saímos do curtume, Salim levou-nos a uma outra loja de artesanato, desta vez de tecidos. Além das peças de tecido cruas, havia infinitas opções de acessórios e algumas roupas tradicionais.

DSCF5716

Tecidos ultracoloridos
DSCF5717
Roupas ao estilo marroquino
DSCF5727
Luminárias

Depois de umas duas horas e meia o passeio já estava para terminar. Passamos em frente à mesquita da Universidade Al Qaraouiyine, mas não pudemos entrar, pois é vedada a entrada de não-muçulmanos. Al Qaraouiyine é considerada a universidade mais antiga do mundo, segundo o Guiness, tendo sido fundada em 859 d.C, por uma mulher, Fatima al-Fihri. Possui uma das bibliotecas mais conhecidas e importantes para a história do islã por ter os primeiros manuscritos do Alcorão, informações sobre o profeta Maomé e outros livros científicos e médicos.

Seguimos pelo Complexo Nejjarine onde visitamos algumas outras lojas de artesanato em madeira e encerramos oficialmente o tour comprando algumas lembranças em uma loja de cosméticos artesanais cuja estrela maior eram aqueles produzidos com o famoso óleo de argan marroquino.

DSCF5757
Complexo Nejjarine
DSCF5765
Produção artesanal do óleo de argan
DSCF5769
Carpinteiros

COMPATRIOTAS


Na volta do tour, comemos um kebab perto da saída da Porte Bleu com os portugueses e voltamos para o hotel. À noite, novamente buscando algo para comer, conhecemos um casal de brasileiros de Sorocaba, Júnior e Vivian. Comemos um sanduíche no Petite Sirene e depois de nos despedirmos na Porta Azul, voltamos para o hotel, já que no dia seguinte teríamos que ir bem cedo para Marrakech.

IMG-20161105-WA0004
Salim, o guia (no centro, de óculos), Sandra e Filipe, os tugas porreiros que conhecemos no tour

 

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar a sua curtida e recomendar para os amigos através do compartilhamento!

 

Em breve, mais relatos e dicas sobre Marrakech!

 

Obrigado pela leitura e boas viagens!

 

Rodrigo Siqueira

Contato: superandarilho@outlook.com

 

    • A seguir: Jema El Fna | Marrakech, Marrocos
    • Procurando mais posts sobre o Marrocos? > Clique AQUI

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s